La web de mayor información
Data Fiscal - Afip Despegar.com Vuelos
En Brasil
  ALCOBAÇA
  ARACAJÚ
  ARARUAMA
  ARAXA
  BEBERIBE
  BELEM
  BLUMENAU
  BOA VISTA
  BOMBINHAS
  BONITO
  BRASILIA
  BROTAS
  BRUSQUE
  BUZIOS
  CABO FRIO
  CAMBORIÚ
  CAMBURI
  CAMOCIM
  CAMPINAS
  CANELA
  CARAIVA
  CARAVELAS
  CASSINO
  CONDE
  CUIABA
  CUMBUCO
  CURITIBA
  DOURADOS
  FERRUGEM
  FLEXEIRAS
  FORTALEZA
  GALINHOS
  GAROPABA
  GENIPABÚ
  GOIANIA
  GRAMADO
  GUARAJUBA
  GUARAPARI
  GUARUJÁ
  ILHABELA
  ILHEUS
  IMBASSAI
  IPORANGA
  ITABUNA
  ITACARÉ
  ITAJAÍ
  ITAPEMA
  ITATIAIA
  ITAUNAS
  JARAGUA
  JOINVILLE
  JUNDIAI
  JUQUEHY
  LAGUNA
  LENCOIS
  LONDRINA
  MACAPÁ
  MACEIÓ
  MANAOS
  MARAGOGI
  MARESIAS
  MOSSORÓ
  MOSTARDAS
  MUNDAÚ
  NATAL
  NOVA LIMA
  OLINDA
  OLIVENÇA
  PALHOÇA
  PARATY
  PENEDO
  PERUIBE
  POMERODE
  PORTOBELO
  PRADO
  RECIFE
  SALVADOR
  SAN PABLO
  SANTAREM
  SANTOS
  SAO LUIS
  SOCORRO
  SOROCABA
  TAMANDARE
  TORRES
  TRANCOSO
  TRINDADE
  TUBARAO
  UBATUBA
  VALENÇA
  VITORIA
 
Otros
  BONAIRE
  CURAZAO
  ST MARTIN
  BARILOCHE
  CACHEUTA
  CACHI
  CAFAYATE
  CARILÓ
  CHAJARÍ
  COLÓN
  CONCORDIA
  CÓRDOBA
  ESQUEL
  IRUYA
  LA CUMBRE
  LA FALDA
  LA PAZ
  LA PLATA
  LA RIOJA
  LOBOS
  LUJÁN
  MENDOZA
  MERLO
  MIRAMAR
  NECOCHEA
  NEUQUÉN
  PARANA
  PINAMAR
  RAWSON
  RIO HONDO
  ROSARIO
  SALTA
  SAN JUAN
  TANDIL
  TIGRE
  USHUAIA
  USPALLATA
  VIEDMA
  ARUBA
  NASSAU
  ARICA
  IQUIQUE
  LA SERENA
  PUCON
  SANTIAGO
  BOGOTA
  CARTAGENA
  ARENAL
  JACO
  SAN JOSE
  CAYO COCO
  HOLGUIN
  LA HABANA
  VARADERO
  BOSTON
  CHICAGO
  DALLAS
  HOLLYWOOD
  KEY WEST
  LAS VEGAS
  MIAMI
  NAPLES
  ORLANDO
  SAN DIEGO
  ST CROIX
  ST JOHN
  ST THOMAS
  KINGSTON
  NEGRIL
  OCHO RIOS
  ACAPULCO
  CANCUN
  COZUMEL
  HUATULCO
  IXTAPA
  LOS CABOS
  MERIDA
  MORELIA
  OAXACA
  PALENQUE
  PATZCUARO
  PUEBLA
  TAXCO
  TIJUANA
  TULUM
  VERACRUZ
  PANAMA
  SAN JUAN
  LA ROMANA
  SAMANA
  ST BARTH
  ATLANTIDA
  CARMELO
  COLONIA
  LA PALOMA
  CARACAS
 
  
$ Cambio $
 
Anunciar
Ingreso a Panama
Formulario Migraciones
Documentos para viajar
EN AUTO A BRASIL
VISA EEUU
E-Mail
Oficinas
 

SERRA DA CANASTRA



SAO JOSÉ DO BARREIRO, es una de las ciudades que permite el acceso al PARQUE NACIONAL DA SERRA DA CANASTRA, que a pesar de los caminos de tierra atrae cada vez más turistas
Servicios de la Ciudad
INFORMACIONES:
MICROS:
Plaza Matriz (S. Roque de Minas)/ Rua Antonio Esmério 92 (Piumhi) (3371-1310)
SALUD:
Centro Sta. María (S. Roque de Minas): Av. Getulio Vargas 490 (3433-1122)
Paseos

A R V O R I S M O

O arvorismo é um esporte recente, criado a partir das técnicas utilizadas por pesquisadores para se locomover em florestas na altura da copa das árvores. Na Serra da Canastra, é praticado no Centro de Aventura Canastra-Babilônia, localizado às margens do Rio São Francisco, em Vargem Bonita.

Plataformas com até 9 metros de altura, interligadas por cabos de aço, viram uma espécie de trilha nos ares para os praticantes do esporte. A dificuldade vai aumentando à medida que a pessoa avança de uma plataforma a outra. O equipamento utilizado é o mesmo do rapel: cadeirinha, mosquetões, roldana, capacete e luvas. A segurança é garantida pela chamada "solteira": uma corda que liga a cadeirinha do praticante a uma roldana presa num cabo de aço.

São 3 séries de plataformas montadas entre árvores. Para começar a atividade, a pessoa sobe uma escada de madeira e cabos de aço até o alto da plataforma. No final das duas primeiras séries, a descida da última plataforma é feita utilizando a  técnica do rapel. Na última série, a descida é numa tirolesa de 180 metros. Ou seja, depois de andar nas alturas, o praticante faz um verdadeiro vôo de volta ao solo. A plataforma da tirolesa inclui também uma mini parede de escalada.   

O Centro de Aventura Canastra-Babilônia oferece ainda bóia-cross no rio São Francisco, restaurante durante o dia e pizzaria à noite (aberto de terça a domingo na alta temporada e somente nos feriados e finais de semana na baixa temporada).

Serviços Incluídos/Esportes de aventura:

 Equipamento profissional

Guias especializados

Observações Importantes:

Vagas limitadas. Necessário reserva antecipada

Obrigatório uso de tênis ou papete para qualquer atividade.

Horários do bóia-cross (verão): 10h00 e 15h00

Idade mínima/bóia-cross: 6 anos

Idade mínima/arvorismo: 12 anos

 

Tempo médio por atividade: 

 Bóia-cross e arvorismo: 2 horas

Circuito Vertical: 1 hora

Conjugado bóia-cross + arvorismo: 4 horas (às 10 e às 14 horas)

Conjugado bóia-cross + Circuito Vertical: 3 horas

BÓIA-CROSS

no rio São Francisco

O bóia-cross é praticado no rio São Francisco, no trecho entre o distrito de São José do Barreiro e a cidade de Vargem Bonita, fora do Parque Nacional.

O trecho percorrido é de grande beleza, principalmente pela vista sempre presente dos paredões da serra. Há pontos de calmaria, corredeiras, mata ciliar e surpreendentes praias de cascalho. Também é comum avistar animais selvagens nas margens, especialmente pássaros.

O bóia-cross é feito sob a responsabilidade da operadora  do Centro de Aventura Canastra-Babilônia (veja também ARVORISMO), sediada em Vargem Bonita, parceira da Tamanduá Ecoturismo.

São utilizadas bóias especiais e todos os praticantes usam capacetes e coletes salva-vidas. Dois guias experientes cuidam do grupo que, em cada passeio, tem no máximo 10 pessoas.

O trecho de rio percorrido tem cerca de 4 km, indo da Praia da Limeira até a Praia da Crioula. O passeio só é viável quando o volume de água está no "ponto". O rio não pode estar muito vazio, porque as bóias enroscam no fundo, e nem muito cheio porque o volume e a velocidade da água aumentam o risco de acidentes.

Incluídos:

Transporte da Praia da Crioula até o local de saída, na Praia da Limeira;
Equipamento básico profissional (bóias, capacetes e coletes salva-vidas;
Monitores treinados;
Treinamento básico no local;
Observações Importantes:

Idade mínima: 6 anos
Obrigatório uso de tênis ou papete
Grupo mínimo: 2 pessoas
Vagas limitadas. Necessário reserva antecipada.

Serra da Canastra,
O encanto das  águas

A região da Serra da Canastra, no sudoeste de Minas Gerais, possui algumas das mais deslumbrantes e desconhecidas paisagens do Brasil. Durante muito tempo, esteve isolada por precárias estradas de terra e só há poucos anos entrou nos roteiros de viagem como lugar privilegiado para a prática de esportes radicais, vivência ambiental e turismo ecológico. 

A região ecoturística da Serra da Canastra tem mais de 200 mil hectares e abrange 6 municípios: São Roque de Minas, Vargem Bonita, Sacramento, Delfinópolis, São João Batista do Glória e Capitólio. A maior atração é o Parque Nacional da Serra da Canastra, criado em 1972 para proteger as nascentes do rio São Francisco e tem a portaria principal a 8 km de São roque de Minas. Dentro do Parque Nacional estão alguns dos mais belos cartões postais do Brasil, como a cachoeira Casca D'Anta, de quase 200 metros, a primeira grande queda do "velho Chico".  
  
 
A região é o berço de muitos rios que ajudam a formar as bacias do São Francisco e do Paraná. Rios de uma infância ruidosa, cheia de corredeiras e cachoeiras que passam dos 200 metros de altura.  
 
Cachoeira do Cerradão 
 A paisagem se alterna entre campos rupestres cheios de delicadas flores, cerrado típico e matas de galerias com exuberante vegetação atlântica. É nesse ambiente que vivem protegidas espécies de animais ameaçados de extinção, como o tamanduá-bandeira, o lobo-guará, o tatu-canastra e o pato mergulhão. 
 
A vida rural mantém as velhas tradições da cultura da região, como a arquitetura do século 19, os muros de pedra sem cimento, o queijo canastra e o carro de boi. 

Tudo forma um conjunto de rara beleza ainda preservado e fiel à descrição apaixonada do naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire.  

PARQUE NACIONAL DA
 SERRA DA CANASTRA

Criado em 1972, o Parque Nacional da Serra da Canastra tem 71.525 hectares demarcados e parte do território de 3 municípios: São Roque de Minas, Sacramento e Delfinópolis, no sudoeste de Minas Gerais.
 A área reúne basicamente dois maciços: a Serra da Canastra e a Serra das Sete Voltas, com o vale dos Cândidos no meio. As altitudes variam entre 900 e 1.496 (torre da Serra Brava) e a vegetação predominante são os campos rupestres, com manchas de cerrado e matas ciliares.
 
O relevo acidentado e a vegetação rasteira produzem uma paisagem única, com grandes vistas panorâmicas e muitas cachoeiras com altura acima dos 100 metros.

As características do relevo e da vegetação favorecem também a observação de animais selvagens, como o tamanduá-bandeira, o lobo-guará e o veado-campeiro

As temperaturas são amenas. A média fica em torno de 17 graus no inverno e 23 graus no verão. O índice pluviométrico anual varia entre 1.300 e 1.700 mm, com a maior parte das chuvas concentrada no período de dezembro a fevereiro.
 

 O grande objetivo da criação do Parque foi a proteção das nascentes do rio São Francisco, o curso d?água mais conhecido que brota no imenso chapadão em forma de baú ou canastra. A Serra da Canastra é uma espécie de berçário de rios situado bem no divisor de duas bacias hidrográficas: a do rio Paraná e a do rio São Francisco. Da bacia do Paraná, um dos rios mais conhecidos que nascem no chapadão é o Araguari, também chamado de Rio das Velhas na parte inicial. Foi às margens dele que no século 18 surgiu o garimpo de ouro que deu origem à histórica vila de Desemboque, marco de toda a ocupação do Brasil Central.
 
A área originalmente prevista para o Parque Nacional era muito maior: mais de 200 mil hectares, como consta do  Decreto número 70.355, de 3 de abril de 1972 e incluía toda a região da Serra da Babilônia. A área foi reduzida devido ao custo das desapropriações, mas agora está sendo objeto de uma revisão que o iniciou em 2001. 


Outros dois decretos que complementavam a criação do Parque, um deles reduzindo a área para pouco mais de 100 mil hectares, foram revogados em 1991. Com isso, embora por enquanto somente no papel, o que está valendo é o decreto original, com a área de 200 mil hectares (ver abaixo: Legislação/Parque Nacional). A Ampliação do Parque está sendo analisada no Congresso Nacional, pois acarreta uma série de mudanças sócio-econômicas para a população local. Um Plano de Manejo* foi publicado pelo Ibama no início de 2005 e prevê a desapropriação de cerca de 130mil hectares, mas a legalidade desta desapropriação está sendo questionada pelos proprietários de terra da região. Veja o mapa com a área da futura ampliação.

 
A implantação do Parque foi traumática para a região, porque a área desapropriada tinha dezenas de fazendas, uma delas praticamente em cima das nascentes do "velho Chico". Os fazendeiros foram resistindo e protelando a saída até serem retirados à força pela Polícia Federal, dez anos mais tarde. Alguns fazendeiros discutem na justiça até hoje o valor das indenizações.
 

O Ibama administra o Parque através do escritório mantido em São Roque de Minas, a cidade mais próxima (8 km da portaria 1). Praticamente todos os funcionários são moradores de São Roque de Minas e Sacramento. Uma estrada de 60 km corta o Parque de fora a fora e vias secundárias dão acesso a algumas das principais atracões, como o Retiro de Pedras (área da primeira fazenda instalada na região), a parte alta da cachoeira dos Rolinhos, o cânion do rio São Francisco e a parte alta da Cachoeira Casca D?Anta.

REGULAMENTO BÁSICO DO PARQUE

Horário de visitação:
8h00 às 18h00. Recomenda-se entrar até as 16h00 no máximo.


Velocidade de tráfego nas estradas:
40 km/hora.


Lixo:
Recomenda-se usar as lixeiras instaladas nos principais pontos ou de preferência recolher o lixo e entregá-lo em uma das portarias.

É proibido na área do Parque Nacional:

Entrada e consumo de bebidas alcoólicas.

Uso de equipamento coletivo de som.

Prática de esportes radicais como rapel, canioning, tirolesa, pêndulo e escalada.

Churrasco e acampamento, exceto na área reservada e administrada pelo Ibama junto à portaria 4 (Cachoeira Casca D?Anta, parte baixa).

Entrada de animais domésticos.

Uso de armas e material de caça e pesca.

Coleta de rochas, plantas e animais de qualquer tipo ou espécie.

Infrações:

  As infrações ao regulamento podem resultar em punições para o visitante, desde a expulsão da   área do Parque até o pagamento de multa ou prisão em flagrante.

Recomendações gerais:

Transitar somente por trilhas conhecidas e sinalizadas, de preferência na companhia de um guia local.

Levar sempre capa de chuva e agasalho em qualquer época do ano.

Usar boné ou chapéu e filtro solar para evitar queimaduras.

Não caminhar nas trilhas quando houver cerração.

Atenção para a trilha da Casca D?Anta (parte alta para parte baixa e vice-e-versa: reserve pelo menos 5 horas com luz solar para essa caminhada.

Usar calçado confortável, fechado e com solado antiderrapante.

Afastar-se dos rios e córregos ao primeiro sinal de chuva.
 
RESERVA NATURAL DA
CACHOEIRA DO CERRADÃO

A área da cachoeira do Cerradão, em São Roque de Minas, foi transformada em RPPN ? Reserva Particular do Patrimônio Natural em agosto de 2001 por ato do Ibama ? Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. É a primeira reserva do gênero na região da serra que se encontra aberta ao ecoturismo, com atividades de caminhada educação ambiental.

O imóvel, de 60 hectares, tem uma portaria com serviços de recepção, espera e sanitários. As trilhas que levam à cachoeira têm sinalização interpretativa - plaquinhas de madeira identificam as principais espécies da flora. A visita pode ser feita diariamente das 8 às 17 horas (9 às 18 horas no horário de  verão).


 A cachoeira do Cerradão é uma das mais altas da serra: são 202 metros em 3 lances. A área tem nascentes, cerrado, campos e mata ciliar bastante preservados.


As visitas são controladas. Os carros ficam do lado de fora, é proibido entrar com bebidas alcoólicas, churrasqueiras e material de pesca.
 

Foi estabelecido também um limite de 60 visitantes por período. Toda vez que esse número é atingido, os turistas que chegam têm de esperar na portaria ou agendar a visita para outro dia.

Não há local para hospedagem na reserva e nem é permitido o acampamento ou esportes radicais.  
A Reserva Natural da Cachoeira do Cerradão é administrada pela Tamanduá Ecoturismo.

FAUNA

Os animais são uma das maiores atrações da Serra da Canastra, especialmente na área do Parque Nacional. A fauna típica da região reúne várias espécies ameaçadas de extinção, como o tamanduá-bandeira, o lobo-guará e o veado-campeiro, que podem ser vistos com relativa facilidade.
 Outros bichos também ameaçados que, havendo um pouco de sorte, os turistas podem ver, são a lontra, o macaco sauá e as três maiores e mais fascinantes raridades: o tatu-canastra, o pato-mergulhão e a onça parda.
As áreas de campos e cerrados da Canastra exibem também o cachorro-do-mato, a seriema, a ema, o gavião carcará e o magnífico gavião-caboclo. Nas matas ciliares e nas fazendas, o show é do mico-estrela, dos quatis, do bonito e imponente urubu-rei, do jacu, do tucano-açu e do canário-da-terra. 
 
A regra número um para ver os bichos é ser atento e silencioso. Ou seja, quem estiver a pé, a cavalo ou de bicicleta terá mais chances do que quem estiver de carro. Outra regra é dar preferência ao passeio no começo ou no final do dia. Por fim, há os locais estratégicos, pontos com registros de avistagem que só alguns guias e os visitantes mais experientes sabem identificar.
A maioria dos animais foge quando percebe a nossa presença. Alguns são dóceis e curiosos, permitindo uma aproximação. Nesse caso, o turista deve ficar calmo, não fazer barulho nem movimentos bruscos e não perseguir os animais. A recompensa pode ser aquela tão esperada pose para uma bela foto. 

FLORA

A Serra da Canastra está na região do cerrado mineiro, mas apresenta uma vegetação bem mais variada, que inclui campos, campos rupestres e florestas. O cerrado brasileiro é caracterizado por árvores de pequeno e médio porte, de cascas grossas e galhos retorcidos, bem adaptadas ao solo pobre e resistentes à seca e ao fogo. 
 
A aparência despojada esconde uma biodiversidade impressionante.
São mais de 6 mil espécies vegetais, mais de oitocentas espécies de aves e quase duzentas espécies de mamíferos, números superiores, por exemplo, aos do Pantanal. Na Serra da Canastra, porém, o cerrado ocupa uma parte inferior à dos campos e campos rupestres (ou de altitude, localizados em áreas com altitude superior a 900 metros). 
 Nesses campos, a ausência de vegetação de grande porte e os contrastes do relevo formam imensas vistas panorâmicas, onde a paisagem exibe, no detalhe, imensos canteiros de flores. Nas áreas mais baixas e úmidas, formam-se os capões (matas) de formas arredondadas, com exuberante vegetação atlântica.
 Todo o chapadão da serra onde está o Parque Nacional alterna essas áreas de campos e campos rupestres, com variações intermediárias que os especialistas chamam de campo cerrado, campo sujo e campo limpo. Além disso, há pequenos trechos de floresta e cerrado típico. Em toda essa área, um grupo de especialistas da Universidade Federal de Uberlândia já conseguiu identificar 540 espécies de plantas em apenas 4 anos de pesquisas.

O U T R A S     A T R A Ç Õ E S NO PARQUE NACIONAL

Centro de Visitantes

 Localizado a cerca de 500 metros da portaria 1 do Parque Nacional, o Centro de Visitantes tem auditório, pequena biblioteca, exposição de fotos, rochas e outros materiais. O material fornece boas informações gerais sobre o Parque Nacional da Serra da Canastra e outras unidades de conservação. Há também painéis com dados de pesquisas realizadas sobre a fauna e a flora no Parque. Um monitor do Ibama acompanha a visita e informa sobre as normas de visitação.

 Nascente do Rio São Francisco

 A nascente fica num lindo vale a 1300 metros de altitude e a 6 km da portaria 1 pela estrada que atravessa todo o Parque. Uma placa de pedra indica o lugar onde o "velho Chico" começa a longa viagem de quase 3000 quilômetros até o litoral do Nordeste. A nascente não está claramente definida, mas é formada por dois pequenos córregos que surgem no meio de um charco. É um lugar singelo, com um pequeno capão de mata, uma ponte de madeira sobre o rio e, além da placa, uma trilha de pedras que leva até o monumento erguido na época da criação do Parque: um cercado de pedras emoldurando uma estátua de São Francisco. Aos pés da imagem é reproduzida a famosa oração numa placa de granito.

Embora já incorporado à paisagem depois de décadas, o monumento tem gosto duvidoso, causa impacto devido à localização no meio do charco e já foi vítima de vandalismo. O crucifixo que havia numa das mãos da imagem desapareceu em 1999 e nunca foi reposto.

Curral de Pedras

É uma boa amostra de uma das tradições mais notáveis da Canastra: os muros de pedra construídos sem argamassa. Nesse caso, as pedras constituem um imenso e bem preservado curral de formas arredondadas e com dois ambientes, construído para manejo do gado. É um muro "drobado" (dobrado), com imensos blocos de pedra arrastados com a ajuda de carros de bois. Preste atenção à parte menor e mais redonda do curral, de construção perfeita, e aos interessantes mourões de pedra na entrada dele. Outro detalhe é o aproveitamento de um muro natural que economizou pedra e mão-de-obra na construção do curral.

Também conhecido como Retiro dos Posses (nome de família dos antigos proprietários), o Curral de Pedras é o que restou de um antigo "retiro", fazenda de uso temporário, geralmente no verão, quando o gado de leite era levado das partes mais baixas da serra o chapadão, planalto que caracteriza o alto da serra, onde desfrutava de melhores pastagens. Devido à destacada altitude em relação ao chapadão, o Curral de Pedras também é ótimo local para observação do pôr-do-sol.

Cachoeira Casca D?Anta

A maior atração da Canastra pode ser visitada pelo alto da serra ou por baixo, em ambos os casos com acesso relativamente fácil por estradas de terra. Na parte alta, a 38 km de São Roque de Minas, há o cânion que o rio São Francisco forma para descer a serra, 14 km após a nascente. Tem uma incrível seqüência de cachoeiras e piscinas naturais, algumas inacessíveis. Há um mirante de onde é possível avistar parte da queda principal, a imensa piscina formada embaixo e o curso do rio até a primeira curva rumo ao Nordeste. O desnível superior a 300 metros proporciona uma das mais lindas vistas panorâmicas da região. O local está todo sinalizado pelo Ibama e é fácil pegar a trilha de 3 km para ir até a parte de baixo. São cerca de 4 horas de caminhada, em média, para ir e voltar. Para iniciar a caminhada, assim como contemplar parte do cânion e chegar ao mirante, é preciso atravessar um córrego que pode ficar perigoso em dias de chuva.

 Para chegar de carro à parte de baixo, o visitante deve seguir de São Roque de Minas até a portaria 4 do Parque Nacional, passando pela cidade de Vargem Bonita e pelo povoado de São José do Barreiro (distrito de São Roque de Minas), num percurso total de 40 km. Para ter a aproximação máxima da cachoeira, é preciso deixar o carro no estacionamento e caminhar cerca de 15 minutos por uma trilha no meio da mata ciliar. Preferia fazer a visita, tanto na parte baixa quanto na alta, o mais cedo possível. Em feriados, os dois lugares ficam superlotados depois das 10h00.

A Cachoeira Casca D?Anta tem queda livre de 186 metros. O nome vem da árvore Casca D?Anta (Drimys winteri) que, por sua vez, foi assim batizada porque que tem propriedades medicinais, cicatrizantes. Segundo os pesquisadores, a anta se esfrega no tronco da árvore para curar ferimentos superficiais.

Cachoeira dos Rolinhos, parte alta

 Uma placa e um trevo indicam o caminho até a parte alta da Cachoeira dos Rolinhos, um dos lugares mais visitados da Serra depois da nascente e da Cachoeira Casca D?Anta. O percurso de 10 km, acidentado na época do verão, é também um ótimo passeio para quem quiser uma amostra completa da flora do Parque, com campos limpos, cerrado e matas de galeria. Com um pouco de sorte, o visitante verá também alguns dos animais típicos da região: tamanduá-bandeira, lobo-guará e veado-campeiro.

 A Cachoeira dos Rolinhos, com cerca de 300 metros, é a maior da Canastra, mas é impossível avistá-lo da parte alta do Parque (para parte baixa ver Outras Atrações/Em Áreas Particulares). Mesmo assim, o lugar é de uma incrível beleza, a começar por uma cachoeira menor, formada cerca de mil metros antes, conhecida como do Colibri ou Rasga Canga. Há também várias piscinas naturais boas para banho e até mergulho livre. Em feriados prolongados, procure chegar cedo para não ser incomodado pelo excesso de gente. Importante: ao menor de chuva nas cabeceiras do rio, o local deve ser abandonado, principalmente se você resolveu fazer a trilha que leva da piscina natural até a parte baixa da Cachoeira Rasga Canga, já que é preciso atravessar o rio na ida e na volta.

Na parte onde começa propriamente a formação da Cachoeira dos Rolinhos, dependendo do volume d?água, o rio se divide em até 3 partes para despencar da serra. Quando ocorrem as "enchentes" (o equivalente äs trombas ou cabeças d?água), há uma quarta passagem conhecida como cachoeira seca. O lugar é muito bonito, porém perigoso, principalmente no verão, devido à necessidade de atravessar o rio. A direção do Parque Nacional proibiu o acesso a essa área.

Garagem de Pedras

 A 43 km de São Roque de Minas, a Garagem de Pedras se destaca num mirante natural de frente para a serra paralela à Canastra, a Babilônia. Entre as duas serras está o imenso Vale dos Cândidos, nome emprestado da família proprietária da antiga fazenda onde está a garagem. A casa-sede da fazenda fica a cerca de 2 mil metros, no pé da serra, e foi restaurada para servir de abrigo a pesquisadores. O acesso de carro, quase impossível devido às pedras e à falta de manutenção, está proibido pelo Ibama.

 A garagem foi construída para facilitar o acesso à fazenda quando os donos compraram o primeiro carro. Ao chegar à garagem, o dono soltava rojões e os empregados despachavam cavalos encilhados serra acima para que quem chegava não precisasse descer a pé.

São João Batista e Cachoeira do Jota

Localizado a 50 km de São Roque de Minas, 95 km de Araxá e 106 km de Sacramento, o distrito de São João Batista mantém características regionais bem preservadas. O pacato vilarejo é porta de entrada para o Parque Nacional da Serra da Canastra ? Portaria 2 e conta com duas belas cachoeiras, a Cachoeira da Gurita e a Cachoeira do Lava-pés. Além dos atrativos naturais, São João Batista foi ponto de passagem de diversos tropeiros ao longo dos séculos e ponto estratégico na colonização do Brasil Central, sendo possível observar na arquitetura de algumas construções um pouco mais desta história.

Portaria 3/Sacramento

A portaria 3, a 78 km de São Roque de Minas, é o acesso ao Parque Nacional mais utilizado por quem sai da região do Triângulo Mineiro. O trecho entre o trevo para São João Batista e essa portaria não tem atrações de destaque, mas vale o passeio para quem estiver interessado em maior observação da fauna e flora. Há longas extensões de campos rupestres com flores e trechos de um cerrado mais vigoroso. Como há menor circulação de veículos, aumentam também as chances de avistar animais.

 

Mapas & Rutas

UBICACIÓN:
REGIÓN: Centro Este
ESTADO: Minas Gerais
LOCALIZACIÓN: Ubicada a 364 km de Belo Horizonte

COMO CHEGAR

DE CARRO

A região mais importante da Serra da Canastra é a área já regularizada do Parque Nacional, que tem 4 acessos: são as portarias instaladas em São Roque de Minas (8 km da cidade), nos distritos de São José do Barreiro (9 km) e São João Batista (1 km) e em Sacramento (65 km da cidade). Os acessos via Sacramento e São João Batista são  por longas estradas de terra, que podem ficar precárias na época das chuvas. Por São José do Barreiro, o trecho de terra é mais curto (22 km) e por São Roque de Minas são apenas 8 km. Por São José do Barreiro, o visitante tem acesso direto à parte de baixo da Cachoeira Casca D'Anta, a maior atração da Canastra. Por São Roque de Minas, fica mais fácil chegar à parte alta do Parque Nacional, onde estão a nascente do rio São Francisco e a parte de cima da Cachoeira Casca D?Anta (há uma trilha até a parte de baixo e vice-e-versa). 

Veja a melhor forma de chegar a São Roque de Minas para quem parte das principais regiões do País. Consulte os mapas para acesso direto a São José do Barreiro e às demais entradas do Parque Nacional.

Para quem sai de

BELO HORIZONTE, SUL DE MINAS, RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

 O acesso principal a São Roque de Minas é pela rodovia MG 050, que liga Belo Horizonte à região nordeste do Estado de São Paulo. Chegando à cidade mineira de Piumhi, o visitante deve entrar no primeiro trevo (para quem vem de Belo Horizonte e Rio de Janeiro) ou no segundo trevo (para quem vem de São Paulo) e atravessar a cidade seguindo a indicação das placas até a rodovia secundária de 60 km que leva a São Roque de Minas. A rodovia está em obras e ainda há pequenos trechos sem pavimentação.

Entre Piumhi e São Roque de Minas, o visitante atravessa dois vilarejos: São Sebastião dos Cabrestos (município de Vargem Bonita) e Sobradinho (São Roque de Minas).

 
DE ÔNIBUS

Se a sua opção for ônibus, a melhor forma de chegar a São Roque de Minas é via Piumhi, para onde há maior número de linhas regulares.

Chegando a Piumhi, a única opção de transporte coletivo é a linha da empresa Transimão, com 3 horários de ida e volta. Consulte as informações abaixo.

LINHA: PIUMHI ? SÃO ROQUE DE MINAS ? PIUMHI

(Paradas para embarque e desembarque na cidade de Vargem Bonita e nos distritos de São Sebastião dos Cabrestos e Sobradinho *)

EMPRESA: TRANSIMÃO
ATENDIMENTO: RODOVIÁRIA DE PIUMHI
TEL. (37) 3371-1575
FREQÜÊNCIA: DIÁRIA

 
LINHA: SÃO PAULO ? PIUMHI ? SÃO PAULO

 (Paradas para embarque e desembarque em Campinas, São Sebastião do Paraíso, Itaú de Minas, Pratápolis, Passos, Furnas e Capitólio)

 EMPRESA: UNIÃO
ATENDIMENTO: TERMINAL RODOV. DO TIETÊ/RODOV. PIUMHI
TEL. (11) 6221-9401/(37) 3371-2020
FREQÜÊNCIA: DIÁRIA

Fotografías
Comentarios
  
 
 
 
Copyright© 1999-2014 emBrasil.com
.